Programa Setorial para as Eleições Gerais de 2018, Soberania e Desenvolvimento: Energia e Petróleo

BANDEIRA_AEPET

O programa setorial, organizado neste documento, apresenta diagnóstico e propostas para o setor do petróleo, gás natural e energia no sentido de assegurar a Soberania e promover o Desenvolvimento Nacional.

Nossa Associação considera oportuno apresentar estas análises à sociedade e aos candidatos das Eleições Gerais de 2018, não se trata de uma revelação dogmática, ou de pontos de vista inflexíveis, representa a consolidação da nossa experiência e pontos de vista, que apresentamos para franco e aberto debate com os brasileiros.

Convidamos à sociedade e os candidatos a Presidente, Governadores, Senadores e Deputados a debater os rumos do Brasil neste importante setor. Leia mais

 

Anúncios

Entrevista ao Brasil 247 sobre a Cessão Onerosa

Entrevista concedida ao Leonardo Attuch, jornalista e editor do Brasil 247, em 5 de julho de 2018, sobre a importância do contrato de Cessão Onerosa e dos 5 bilhões de barris de petróleo equivalente para a Petrobrás e o Brasil. Em plena Copa do Mundo, foi aprovado pela Câmara, em regime de urgência promovido por Rodrigo Maia (DEM-RJ), o projeto PL 8939 do dep. José Carlos Aleluia (DEM-BA) que permite a privatização de até 70% do petróleo da Cessão Onerosa. O projeto entreguista segue para o Senado. Este grave ato lesivo à Pátria precisa ser impedido no Senado. Se consumado pelo Senado e sancionado por Temer, precisa ser anulado pela Justiça ou revogado pelo presidente eleito em janeiro de 2019.


VÍDEO: Eventos históricos da disputa pelo pré-sal e a renda petroleira

Vídeo produzido pela AEPET baseado em artigo homônimo.

Desde a descoberta do petróleo no pré-sal ocorreram eventos geopolíticos e econômicos relevantes. No Brasil contemporâneo, o petróleo e a Petrobras sempre estiveram no centro dos debates entre projetos políticos para o nosso país. Desde a campanha “O Petróleo é Nosso” que interesses contraditórios disputam a narrativa, o senso comum e o poder político para condução nacional. Em 2018, nas eleições gerais, a disputa pelo petróleo e a renda petroleira continua no centro da contenda.

Neste artigo, trato de fatos relevantes desde a descoberta do pré-sal (2006) à privatização acelerada do petróleo brasileiro e dos ativos da Petrobras (desde 2016). Leia mais


Seminário: o mito da Petrobras quebrada, política de preços e suas consequências para o Brasil

Promovido pela AEPET e Clube de Engenharia, realizado no dia 5 de junho de 2018, teve ampla repercussão. Destaco o artigo do Clube, publicado no GGN e a coluna da Hildegard Angel no JB.

Apresentação: Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia, VÍDEO

Palestras

O mito da Petrobrás quebrada: Cláudio Oliveira, economista, VÍDEO e SLIDES

Consequências da política de preços da Petrobrás: Felipe Coutinho, presidente da AEPET, VÍDEO e SLIDES

Produção e refino do petróleo a serviço do Brasil: Paulo César Ribeiro Lima, engenheiro e consultor legislativo, VÍDEO e SLIDES


Entrevista ao Brasil 247 sobre a política de preços da Petrobras

Entrevista concedida ao Leonardo Attuch, jornalista e editor do Brasil 247, no dia 24 de maio de 2018.


Uma padaria para chamar de Petrobras

Para justificar sua política de preços, o atual presidente da Petrobrás, Pedro Parente, compara a Companhia a uma padaria. Afirma que, da mesma forma que o padeiro não determina o preço do pãozinho, dependente do preço do trigo no mercado internacional, a Petrobrás também não determinaria o preço dos combustíveis que seria resultado do preço internacional do petróleo. Leia mais


Nota sobre a política de preços da Petrobras

BANDEIRA_AEPET

Nota da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial ” Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

A Petrobrás adotou nova política de preços dos combustíveis, desde outubro de 2016, a partir de então foram praticados preços mais altos que viabilizaram a importação por concorrentes. A estatal perdeu mercado e a ociosidade de suas refinarias chegou a um quarto da capacidade instalada. A exportação de petróleo cru disparou, enquanto a importação de derivados bateu recordes. A importação de diesel se multiplicou por 1,8 desde 2015, dos EUA por 3,6. O diesel importado dos EUA que em 2015 respondia por 41% do total, em 2017 superou 80% do total importado pelo Brasil. Leia mais